quarta-feira, 29 de março de 2017

SHAMPOO DE CAFE PARA CRESCER CABELO


Olá Tchutchucas!

As meninas que estão em transição vão se identificar muito com o que eu vou dizer agora:

“Eu quero mesmo e que meu cabelo cresça.”



Apesar de achar que precisamos quebrar esse padrão de que cabelo bonito é cabelo comprido e que mulher de cabelo curto não é sexy e nem feminina, as mulheres que tiveram que cortar seus cabelo por razões que fugiram a própria vontade acabam optando por qualquer receita, dica ou produto milagroso que prometa o crescimento fora do comum.
Até mesmo quem não está em transição ou fez o big chop, mas deseja loucamente um cabelão digno da Rapunzel acaba por também buscar esses meios. A questão e que nem sempre o efeito pode ser o esperado e pior, pode acontecer efeito inverso. O excesso de vitaminas no cabelo pode ocasionar quebra e queda do cabelo, é preciso ter muito cuidado com os possíveis efeitos colaterais.
Mas receitas caseiras, com produtos orgânicos e naturais associados a boa alimentação e uma rotina de vida saudável podem ajudar a acelerar o crescimento do cabelo. Já temos alguns posts aqui no blog falando de crescimento.

Uma receita que eu acho que da muito certo e a umectação capilar noturna com óleo de rícino. Para facilitar a aplicação e como algumas pessoas podem se incomodar com o cheiro e interessante fazer uma mistura de óleos vegetais: rícino, azeite de oliva, óleo de coco e até amêndoas desde que todos sejam 100% puro. Ai e só aplicar no couro cabeludo fazendo massagens com as pontas dos dedos para ativar a circulação sanguínea. Já que estamos tentando de tudo vale usar o método de inversão capilar (ficar com a cabeça para baixo) durante a massagem.
Outra receita que funciona e o uso da cafeína nas hidratações, como tônico ou no shampoo. Vou explicar cada uma:
Nas hidratações basta adicionar pó de café na sua misturinha de mascara de hidratar e deixar agir normalmente.


Como tônico eu indico o uso do chá preto após lavar o cabelo com shampoo. Você vai precisar deixar o cabelo secar um pouco porque ele precisa estar limpo, mas não muito encharcado de água que é para o chá preto faça efeito. Faça massagem com a ponta dos dedos até sentir o couro cabeludo esquentar. Essa dica também é ótima para acabar com a queda!


E por último o shampoo bomba caseiro/ shampoo de café. Que nada mais é que colocar café solúvel em seu shampoo e usar uma vez por semana. É IMPORTANTISSIMO QUE O SHAMPOO SEJA LIBERADO PARA LOW/NO POO E QUE NÃO CONTENHA SAL EM SUA COMPOSIÇÃO.

Apesar das dicas eu quero lembrar que cada fase de nossas vidas é de enorme importância para nosso crescimento pessoal. Cabelo curto tem seu charme, deixa a mulher linda do mesmo jeito e você não tem que ser igual a todo mundo. A beleza está na diversidade!
Por isso a melhor receita de todas é desencana, tenha paciência e curta cada fase do seu cabelo, porque quando você estiver empoderada é bem capaz que sinta saudades da fase do curtinho rsrsrs.

Espero que tenham gostado do post e como sempre obrigada por me ouvir.

quinta-feira, 23 de março de 2017

#elasmeinspiram - Quarta Historia

Olá Tcutchucas!

Uffa... Quero mais meses como esse de março! Muita coisa acontecendo e espero contar em breve para vocês. Mas hoje quero apenas contar a historia da Miriã, e vou avisando logo, abaixa que é tiro meu bem!
Empoderada, linda e diva. Ela veio deixar nossa serie #elasmeinspiram ainda mais especial com sua história. Estão preparadas? Então lá vai...
Miriã Joquebede Alves
28 anos
Nascida em Cuiabá MT residência em Sooretama
Professora/ pedagoga
Educação infantil e séries iniciais



Olá! Vou contar sobre meus cachos Black. Bem não foi uma escolha fácil, desde pequena já utilizava os processos químicos, e sempre não permanecia de aparecia boa, as quedas capilares eram constante, o meu cabelo só crescia até a altura do pescoço. 





Pois bem já estava cansada de tantas tentativas fracassadas de mudar meu cabelo, f oi quando iniciei os permanentes, que também não deram muito certo.
Então um quando um amigo (que eu Aline gosto de chamar de anjos) me disse para assumir o cabelo natural.

Logo de início ainda tive resistência. A ideia não é muito fácil mesmo logo de cara.
 Foi  então que em 2015 em agosto passei uma decepção no salão de relaxamento, e decidi eu mesma cuidar do meu cabelo.
Comecei a pesquisar, seguir as Youtube crespa, até que enfim fiz meu BC em dezembro de 2015 e desde lá postos,experiencias que dão certo no meu crespinho tipo 4.





Aceitar o próprio cabelo nem sempre parti de nós. Na verdade muitas vezes acontece por indicação de alguém, influencia ou necessidade mesmo quando o cabelo não aguenta mais procedimentos químicos. Nosso erro esta em achar que ter o cabelo natural é algo ruim, que é sinônimo de descuido, quando é exatamente o oposto.
E quando acintece a aceitação agente pode ser também a inspiração de alguém, que está sem coragem, que não se vê dessa forma ou que acha não ser para ela aquele tipo de cabelo. 
Todas nós somos inspirações! Todas somos influenciadoras!
Espero que tenham gostado dessa série de histórias. Um beijo grande e obrigada por me ouvir.

segunda-feira, 13 de março de 2017

#elasmeinspiram - Terceira Historia

Olá Tchutchucas!

No dia 12 de março a pretinha que vos fala completou um ano de Big Chop, e eu estou muito feliz com a minha decisão de ter voltado ao cabelo natural. Muita coisa em mim mudou depois que fiz o grande corte.
Eu vivo batendo na mesma tecla e dizendo: Transição e a fase em que agente se reinventa ou a fase em que agente se descobre. De repente notamos que gostamos de coisas que nem imaginávamos, mas depois de se libertar das algemas que ditavam o que você podia e o que era melhor para você tudo parece novo.



A minha historia e bem parecida com a de muitas de vocês, tendo começado com alisamentos ainda quando criança e vendo as coisas só piorarem quando fiquei adolescente. Hoje quero falar um pouco sobre mim e por isso a terceira historia será a minha. Eu sou Aline de Assis Geraldino tenho 29 anos quase 30, mãe e uma mulher muito sonhadora.

E como eu dizia a minha historia e como a de vocês, por não ter noção de como cuidar e pelo padrão de beleza existente a anos atrás, minha mãe acreditando estar fazendo o melhor para mim com 7 anos de idade resolveu fazer um relaxamento no meu cabelo. Eu me lembro que quando eu ia a igreja ela fazia dedoliss no meu cabelo e eu adorava, sempre gostei muito de cachos, mas depois do relaxamento tudo mudou.
Meu cabelo passou a ser cada vez mais difícil de cuidar, sempre estava fazendo alguma química para tentar controlar e como não tínhamos dinheiro para gastar com salões agente usava produtos baratinhos de supermercado e farmácia. Alguém se lembra do ISIS? Aquela bisnaga rosa que queimava o couro cabeludo e levava um mês para sumir o cheiro horrível do produto do cabelo.
Depois veio a GUANIDINA e por muito tempo eu usei e achava que era bom, porém não me lembro de usar meu cabelo solto, sempre estava partido ao meio e preso na nuca, além de molhado e com muito creme. Era horrível!
Teve uma vez que uma amiga foi passar um produto no cabelo e dela e sobrou, como o dela ficou legal eu peguei a sobra e apliquei no meu cabelo. Na hora de retirar o produto o cabelo saia todo na minha mão, perdi muito cabelo e tive o corte químico bem na frente nessa parte onde e a franja. Fiquei desesperada, ai foram mais de um ano sem usar nenhuma química, só uma faixa na cabeça para cobrir a parte que quebrou e ninguém ver.
Ai ea inevitável que me sentisse muito feia e que não tivesse nenhuma confiança, eu quase não falava, tinha medo de abrir a boca pra dizer um "Oi". Quando o cabelo se recuperou voltei a fazer relaxamentos, mas agora eu tinha mais cuidado. Me lembro de uma vez ir em um salão para fazer um procedimento, e no dia seguinte o cabelo parecia uma palha, voltei no salão e naquele dia mesmo sem saber eu aprendi a fazer fitagem. A cabeleireira me ensinou como finalizar meu cabelo e me indicou um creme de pentear que eu fiquei usando por anos, ele tinha muitos óleos na composição e por isso deixa meu cabelo nutrido. Claro que não entendia nada disso!


Quando comecei com as progressivas eu estava feliz com meu cabelo, mas ainda muito influenciável fiz para entrar na moda do cabelo liso, nunca consegui porque por mais que eu tentasse meu cabelo só ficava liso se eu escovasse e pranchasse, e não tinha formol que conseguia mudar isso.
Mas tudo mudou quando eu conheci uma garota, que falava sobre cabelos cacheados na internet. Essa garota ficou conhecida por ensinar a fazer gel de linhaça dourada e como arrumar o cabelo, sim estou falando da Rayza Nicacio. Ela me mostrou que eu podia sim ter o cabelo cacheado se eu quisesse e por isso decidi parar de alisar, até porque meu cabelo já não estava mais aguentando procedimentos de transformação.



No canal tem um video que conto como foi a minha transição mas se quiserem eu posso fazer um post aqui no blog também.
Apesar de ter sido influenciada pela Ray para voltar aos cachos, foi a Ana Lidia que me inspirou para o big chop. Mas elas não foram as maiores responsáveis, eu tive pessoas que são próximas a mim que me deram muito apoio, e sempre me impulsionaram a seguir em frente.
Sempre gostei muito de escrever porque era a unica forma que eu tinha de me expressar e dizer o que pensava, as vezes por poesias, cartas e algumas vezes até por paródias. Mas depois do BC isso mudou bastante e hoje consigo me posicionar sobre assuntos e deixar claro minha opinião. Mas o blog veio para preencher essa necessidade de escrever que sinto desde adolescente, é muito prazeroso para mim.


Não existe nada nesse mundo que você não possa, basta querer muito e fazer algo para que seu desejo se concretize. O primeiro passo tem que partir de você, Deus vai te ajudar, as pessoas que te amam iram te apoiar, mas ninguém pode decidir por você.
O processo para o big chop é como um treinamento, ali você aprende a dizer não, a mostrar que você é diferente sim é isso não é ruim. Agente entende que cada detalhe faz parte do que você é, e começamos gostar. E isso é fantástico!
Eu espero que vocês tenham gostado de saber um pouco mais da minha história, eu pretendo continuar postando as historias durante o mês de março e quem sabe essa série não se estende e se torna fixa aqui no blog não é mesmo?!
Então até o próximo post, um beijo grande e obrigada por me ouvir.

terça-feira, 7 de março de 2017

#elasmeinspiram - Segunda Historia


Olá Tchutchucas!

Quando eu digo que as melhores historias são daquelas mulheres anonimas, que agente nem faz ideia e por isso! Como não se inspirar com alguém que enfrenta o preconceito, da um chega pra nos próprios fantasmas e mostra para o mundo para que veio?!
Pois essa é a Thaymara de Souza, uma mulher de 27 anos mas com um rosto e corpo de 18. E a pouco mais de um ano uma mulher crespa, poderosa e com muito estilo. Eu sei não é justo rsrsrs !



...e como muitas mulheres e meninas negras, e do cabelo de "Pico" como eram chamadas as meninas de cabelos crespo e afro do tempo de escola. Já passei por muitos momentos difíceis e sofri muito logo na adolescência, pelo fato de desde criança alisava o cabelo, na verdade a primeira vez que usei química foi   aos 12 anos, aquela fase em que nós meninas começamos a nos descobrir e descobrir a "vaidade". Quando as amigas de cor branca e cabelos longos e lisos eram as mais lindas da escola,aquele "PADRÃO". Até o dia em que eu resolvi alisar o meu cabelo porque me sentia  feia e achava que ninguém iria olhar pra mim.


Ainda na escola, após alisar o cabelo, não satisfeita porque mesmo alisado era muito curtinho resolvi usar aqueles apliques de pregadeira, amarrava o cabelo e fazia um coque e colocava o aplique tipo um "rabo de cavalo". Foi onde um dia ainda dentro da escola, um colega de sala que adorava zoar do meu cabelo puxou o aplique e saiu rodando ele para cima no meio do pátio da escola, a partir desse dia me senti ainda mais feia, porque todos sabiam que aquele cabelo não era meu e pelo "mico" que ele me fez passar. Lembro que naquele mês ainda eu sofri uma queda de cabelo decorrente ao alisamento que tinha feito que afetou meu coro cabeludo, chegando a ficar careca em algumas partes da cabeça, por isso usava o aplique pra ajudar a disfarçar a queda.
Bom, passei por vários outros momentos vergonhosos.
Por algum tempo usei MEGA HAIR para me sentir bem, logo comecei a namorar e casei, e foi ai que decidir tirar o MEGA e deixar o cabelo natural. O meu marido junto com minha sogra e algumas amigas super me apoiaram, e decidi finalmente cortar o cabelo e deixar fluir. Sofri muito também cos comentários desnecessários de algumas pessoas por ter cortado o cabelo "Joaozinho" mas a gente leva, engole o que não nos acrescenta e segue em frente.
Hoje com 1 ano e 3 meses após deixar os alisantes de lado, me sinto uma mulher mais livre, livre por poder ir à praia e mergulhar sem ter que me preocupar em como escovar o cabelo depois, livre por poder andar na chuva kkkk haaa  como é bom rsrs..
E sentir linda de verdade, do jeito que eu sempre fui e me escondia. E agora kkk quantos elogios eu recebo a auto estima vai lá em cima.. Como é bom..



Uma garota crespa, que passou pela transição ou que fez um BC não é apenas uma mulher que tem o cabelo natural, por trás de todo esse processo existe um crescimento pessoal. É uma confiança que nasce, que brota e nos faz perguntar para a sociedade "porque eu tenho que ser o que ela quer?"
Existe sim um movimento que ao assumir seu cabelo natural você afronta esses padrões, mas ele tem o unico objetivo de mostrar para a mulher que se ela quiser pode ser crespa, cacheada, lisa, loira, ruiva etc. Um movimento que mostra que você e quem vai dizer o que é beleza para você! 
Espero que tenham gostado da nossa segunda história, estou fazendo tudo com muito amor e carinho.
Um beijo grande e obrigada por me ouvir.

sexta-feira, 3 de março de 2017

DESINTOXICAÇÃO PÓS CARNAVAL

Olá Tchutchucas!

A folia foi ótima não é mesmo?!
Comidas deliciosas que aquela tia ou a mamãe faz como ninguém, churrasco a vontade e até aquele dogão no fim da festa. Quem nunca? Mas agora que passaram todas essas coisas e voltamos a rotina o nosso organismo começa a mostrar os efeitos colaterais de uma má alimentação e da falta de cuidados, porque não me venha dizer que você passa o carnaval pensando na saúde porque que eu sei que não é bem assim.
Mas e agora o que fazer? A pele está feia, metabolismo caiu, cabelo também ficou danificado. Então é hora de desintoxicar. É hora da faxina!
Primeiro quero deixar claro que não sou dermatologista, esteticista e nem nutricionista, mas sou curiosa e busco informações dadas por profissionais, por isso vou deixar aqui algumas dicas que funcionam muito comigo e sei que vai te ajudar nesse processo de limpeza. A primeira é para o seu desjejum, ou seja, vai ser a primeira coisa que você vai tomar no dia.

Chá de gengibre com limão (manhã)


200 ml de água
um pedaço de gengibre
Suco de um limão inteiro
Modo de preparo:
Coloque a água é o gengibre para fever. Quando levantar fervura, desligue e tampe. Deixe descançar por pelo menos 10 minutos. Junte o suco do limão e beba ainda morno. Não adicione açúcar.

Suco Detox (tarde)

2 folhas de couve
250 ml de água ou água de coco
um pedaço de gengibre
Suco de um limão
Uma rodela grande de abacaxi
Folhas de hortelã
Modo de preparo:
Pique as folhas de couve e o abacaxi grosseiramente. Coloque todos os ingredientes no liquidificador e bata. Se preferir pode coar, mas eu indico beber desse jeito. Você pode adicionar adoçante e umas pedrinhas de gelo.

Sopa Detox (noite)

4 folhas de couve
Uma raiz de aipim pequena (cortada e cozida)
alho
Carne moída magra.
Modo de preparo:
Doure o alho no fio de azeite ou de oleo de coco e refogue a carne tempere a gosto. Bata a couve e o aipim no liquidificador, você pode utilizar a água que cozinhou o aipim. Junte o caldo a carne e deixe cozinhar por uns 20 minutos. Não utilize sal nem caldo de carne.

Para os cabelos faça hridronutrição, pode utilizar Maizena, óleos vegetais e Bepantenol. E a pele faça uma limpeza com um esfoliante e abuse dos hidratantes e do protetor solar. Mas o principal é, BEBER MUITA ÁGUA.


A água vai ajudar a eliminar as toxinas do corpo, pele e cabelos, então foque em beber no minimo dois litros por dia.

Espero que tenha ajudado vocês, é claro que eu nem sempre sigo isso certinho mas tento ao máximo o que já ajuda muito.
Um beijo grande e obrigada por me ouvir.



quinta-feira, 2 de março de 2017

#elasmeinspiram - Primeira historia

Olá Tchutchucas!

Como eu já havia explicado neste mês de março completo um ano que tomei coragem e fiz o meu BC. Mas isso não foi apenas por decisão minha, tive no caminho pessoas que me apoiaram e outras que indiretamente me motivaram a permanecer na minha decisão.
Por isso nesse mês tão especial para mim, quis trazer aqui para o blog historias de mulheres como eu, como vocês, que tiveram suas vidas transformadas durante a transição.

Essa é a historia da Grazi Nunes 21 anos , uma negra linda nascida em Linhares interior do ES. 


"Hoje em dia a palavra que me define é força! Há um bom tempo atras ainda na minha infância eu não me aceitava com cabelo cacheado, sempre me senti feia quando penteava porque eu era a unica que demorava horas para desembaraçar meu cabelo e na maioria das vezes alguém ria de mim. Fui crescendo e alisando meu cabelo ate porque na época era moda, era o padrão de beleza magra e com cabelo liso. Quando eu alisava o cabelo estava querendo ser quem eu não sou, estava fugindo da minha essência, ate que chegou uma hora em que parei de usar chapinha e o meu cabelo foi voltando a cachear sozinho, foi ganhando força e me mudando subjetivamente.  Deixar o meu cabelo cacheado natural me fez perceber o quanto sou linda, que apesar de tudo tenho que ser eu mesma independente do que vão achar, e ter sempre a cabeça erguida para enfrentar todas as piadinhas voltadas para mim que sou afrodescendente. Força! É o que aprendi a ter com meu cabelo."


Assim como muitas meninas a Grazi superou e quebrou seus próprios medos e suas barreiras criadas pela sociedade que a impediam de ser autentica, de ser unica. Quem tiver a oportunidade da um passada nas redes sociais dela para a conhecer e quem sabe se inspirar também @_nunesgrazi.

#elasmeinspiram
#umanodebc
#empoderamentodamulhernegra